Israel recupera corpos de três vítimas do Hamas no 7/10

20/05/2024

Mundo

As informações sobre as vítimas surgiram, entre outras fontes, das investigações do Shin Bet sobre terroristas presos na Faixa de Gaza

Fonte: Foto: O Antagonista

Os corpos dos sequestrados Yitzhak Gelanter, Shani Lock e Amit Buskila foram recuperados nesta sexta-feira, 17, em operação conjunta das Forças de Defesa de Israel e da agência israelense de inteligência Shin Bet, informou o porta-voz das FDI, Daniel Hagari, no X.


Os três, segundo o contra-almirante, “foram assassinados durante o brutal ataque terrorista de 7 de Outubro no cerco de Mefalim, e os seus corpos foram raptados para Gaza por terroristas do Hamas”.


As informações sobre as vítimas surgiram, entre outras fontes, das investigações do Shin Bet sobre terroristas presos na Faixa de Gaza.


Identificação


“Após um procedimento de identificação realizado por funcionários médicos do Instituto Nacional de Medicina Legal e do Ministério da Saúde, os representantes das FDI notificaram suas famílias durante o dia.


As FDI e o Shin Bet compartilham a dor das famílias neste momento difícil”, diz a nota.


O porta-voz das FDI ainda apelou ao público “que se abstenha de espalhar rumores e informações infundadas e que ouça os anúncios oficiais”.


Inteligência


Segundo Hagari, militares e agentes “continuam, mesmo neste momento, a utilizar todas as medidas operacionais e de inteligência, ao mesmo tempo que assumem riscos operacionais, a fim de cumprir a suprema missão nacional de devolver todos os reféns”.


O caso da DJ e tatuadora alemã Shani Lock se tornou mais conhecido entre as vítimas do Hamas por seu corpo aparecer seminu na traseira de uma caminhonete em que os terroristas desfilaram por Gaza. Sua mãe chegou a anunciar que ela estava viva após as imagens edespantarem o mundo, baseando-se em “informações” dadas pelos terroristas.


Um parente de Shani chegou a dizer que a família recebeu um aviso oficial das FDI de que um osso da base do crânio da vítima foi encontrado, e que ele correspondia ao DNA da DJ. Os médicos israelenses afirmaram que uma pessoa não pode viver sem o osso encontrado e concluíram que Shani não poderia estar mais viva.


A DJ participava em 7 de outubro do festival de música eletrônica Nova, no sul de Israel, perto de Re’im, quando terroristas do Hamas lançaram seu ataque, que resultou na morte de mais de 260 civis na área da festa. No total, 1200 pessoas foram assassinadas pelo grupo e 239 levadas como reféns.

Fonte(s): Agência da notícia