foto-logo-radio Radio Aparecida FM 105,9 ligue 3236 1018 / 991157718

Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Novo ministro da Saúde nem tomou posse, mas já sofre com ataques na internet e imprensa

Postado em 17/03/2021 por

Compartilhe Agora!

Anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir o Ministério da Saúde no lugar do general Eduardo Pazuello, o médico cardiologista Marcelo Antônio Cataxo Queiroga Lopes, que deve tomar posse na quinta-feira (18), tornou-se o mais novo alvo de grande parte da imprensa brasileira.

Após a substituição no comando do ministério, o médico de 55 anos passou a ser bombardeado na internet por apresentar alinhamento junto ao presidente da República.

Queiroga formou-se pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em 1988, e concluiu residência médica no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro/RJ, além de cursar doutorado em Bioética, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), em Portugal.

Ele atua como diretor de Hemodinâmica e Cardiologia do Hospital Alberto Urquiza Wanderley e cardiologista no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, ambos no estado da Paraíba.

Apesar de ser favorável ao isolamento social e ao uso de máscara para tentar controlar a transmissão da COVID-19, Queiroga ingressou na pasta da Saúde descartando a possibilidade de que o bloqueio total de atividades, o lockdown, seja uma política de governo para combater o surto da pandemia, o que gerou desconforto em muitos colunistas e editores das principais redações do país.

O novo ministro também já deixou claro: se depender dele, a economia não vai parar. Segundo ele, a população necessita de emprego e renda.

“O presidente quer que questões operacionais sejam colocadas de maneira clara, de tal sorte que o conceito de que o Brasil sabe vacinar se repita, e a gente consiga vacinar a população, que é a maneira mais eficiente de prevenir a doença”, declarou.

Sendo o quarto nome a assumir o Ministério da Saúde desde o início da pandemia, Marcelo Queiroga defende um diálogo maior com estados, municípios e diversos grupos da sociedade para vencer o novo coronavírus.

“Ou seja, criar uma grande união nacional, com um propósito de vencer a pandemia”, disse o cardiologista.

Por fim, tem dito que o que importa é salvar vidas. Dessa forma, de acordo com ele, os médicos devem ter total autonomia, inclusive para prescrever determinadas substâncias que, até o presente momento, não apresentam comprovação científica.

“Isso é uma questão médica. O que é tratamento precoce? No caso da Covid-19, a gente não tem um tratamento específico. Existem determinadas medicações que são usadas, cuja evidência científica não está comprovada, mas, mesmo assim, médicos têm autonomia para prescrever”, declarou.

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.