Ouça agora na Rádio

N Notícia

Donald Trump é sua melhor motivação para investir em ouro. Entenda o porquê

FOTO: CC0

Donald Trump é sua melhor motivação para investir em ouro. Entenda o porquê

Um dólar fraco não vai fazer a "América grande de novo", mas com certeza desencadearia uma grande oportunidade para compra de ouro.

Todas as informações compartilhadas Sputnik Brasil

Se as previsões protecionistas quanto a Trump se confirmarem, o preço do metal vai disparar, afirma o colunista da Sputnik, Ivan Danilov.

Pode parecer contraproducente, mas a política "América Primeiro" de Donald Trump é um grande problema para o futuro do dólar americano e uma benção para os investidores de ouro em todos os lugares. Em tempos de guerras comerciais globais e riscos geopolíticos elevados, o ouro torna-se atraente como garantia cambial e um seguro contra a instabilidade financeira global. As ações falam mais do que palavras e, apesar das garantias de Donald Trump de que ele quer um dólar forte, os mercados acreditam que o presidente dos EUA e seus consultores econômicos querem implementar uma política de dólar fraco para tornar os EUA mais competitivos contra a China e a União Europeia.

A julgar pelas ações tomadas pela Casa Branca, a chamada doutrina "América Primeiro" requer um dólar mais fraco. Para recuperar os empregos perdidos durante as administrações de Obama e Bush e para reviver a indústria americana, Trump deve criar barreiras econômicas e administrativas para as importações e aumentar a parcela do mercado global ocupada pelas corporações americanas.

Neste contexto, a tarifação punitiva de máquinas de lavar roupa sul-coreanas e dos painéis solares chineses são agulha no palheiro. Nenhuma quantidade de inquéritos anti-dumping ou reclamações da OMC contra a China pode resolver a questão subjacente: a atração de empregos e instalações de produção faz sentido econômico em países como China, México, Índia ou Japão, com moedas relativamente em relação ao dólar americano. Acender uma guerra comercial em grande escala tem uma desvantagem considerável para os EUA porque medidas protecionistas, implementadas pela Casa Branca, inevitavelmente provocam retaliações de outros países.

As vítimas das medidas protecionistas de Trump serão tentadas a restringir ou até proibir as importações americanas, prejudicando a lucratividade das empresas e fechando milhares de empregos altamente remunerados nos EUA. Então, Trump precisa de um "trunfo" econômico. Uma solução óbvia é enfraquecer o dólar americano contra as moedas dos concorrentes, tornando suas exportações proibitivamente caras e, ao mesmo tempo, agregando atração às exportações americanas novamente. É por isso que o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse a jornalistas em Davos que "obviamente, um dólar mais fraco é bom para nós no que se refere ao comércio e às oportunidades", acrescentando que o valor de curto prazo dessa moeda não é "uma preocupação nossa".

Basicamente, para tornar os EUA grande novamente e ganhar sua guerra comercial global, Trump precisa vencer a "guerra de moedas" primeiro. Não será uma tarefa fácil.

Os EUA enfrentaram um problema semelhante sob Ronald Reagan na década de 80. Um dos motivos do sucesso da "Reaganomics" foi o Acordo Plaza, sob o qual governos da França, Alemanha Ocidental, Japão, Estados Unidos e Reino Unido, que em 1985 concordaram em aumentar a taxa de câmbio do Franco francês, o iene japonês, a marca alemã e a libra britânica contra o dólar dos EUA. O movimento revitalizou as exportações dos EUA e eliminou as indústrias de seus aliados, tornando suas exportações muito menos competitivas e prejudicando suas economias.

Reagan teve a influência necessária para forçar os aliados dos EUA a sacrificar suas economias em nome da prosperidade americana. Trump não tem nenhuma influência sobre os líderes da União Europeia, e tanto com Macron quanto com Merkel tentam se estabelecer como os "novos líderes do mundo livre", citando o comportamento imprudente e perigoso do homólogo americano. É uma aposta segura que Xi Jinping não assinará um novo "acordo Plaza" e se recusará a sacrificar sua estratégia do "Sonho chinês" para apaziguar Donald Trump, que é amplamente visto como um xenófobo na China. A única solução para o governo Trump é desvalorizar unilateralmente o dólar e tentar impedir que outros países se envolvam em desvalorização competitiva.

Se a história dá pistas, esta estratégia levará inevitavelmente a preços mais altos para matérias primas, como o petróleo ou o alumínio e metais preciosos, como ouro, prata e platina. O ouro é a segurança perfeita contra a desvalorização do dólar e é por isso que o endosso de Steven Mnuchin sobre a política da moeda fraca desencadeou imediatamente um pequeno aumento nos preços do metal precioso. Donald Trump tentou reparar o dano, alegando que a declaração de Mnuchin foi mal interpretada, mas o mercado do ouro até agora não está convencido.

Ironicamente, a política do dólar fraco de Trump toca nas mãos de Vladimir Putin e do Banco Central da Rússia. É de conhecimento público que o Banco Central da Rússia está realizando compras vultosas de ouro. Os últimos números mostram que a Rússia adicionou 300 milhões de onças (9,3 toneladas) de ouro às suas reservas em dezembro, trazendo o total de ativos para um recorde de 59 milhões de onças. De acordo com os cálculos da RT, desde 2015, o Banco Central da Rússia adicionou mais de 558 toneladas de ouro aos seus cofres. 

As reservas de ouro dos EUA nunca foram devidamente auditadas ou até mesmo apresentadas a jornalistas ou membros do Congresso, desencadeando rumores de que tenham se esgotado. A única "prova" recente da existência delas é uma foto de Steven Mnuchin segurando uma única barra de ouro. Em contraste, os jornalistas russos foram recentemente autorizados a andar sem obstáculos pelos cofres secretos do ouro russos, de modo que a mídia russa está inundada com fotos que mostram milhares de barras de ouro.

A reserva de ouro russa, acumulada durante os termos de Vladimir Putin no cargo, é definitivamente real e experimentará um aumento de valor parabólico, se os EUA decidirem desvalorizar radicalmente sua moeda.

Donald Trump diz que "finalmente" quer um dólar forte. No entanto, a desvalorização da moeda é geralmente uma via de mão única, portanto este futuro pode nunca vir. Também é sabido que não há nada mais permanente do que uma solução temporária. A política de dólar fraco temporário pode não ser tão temporária, e, neste caso, o melhor conselho que pode ser dado a qualquer pessoa interessada em sobreviver às guerras mundiais da moeda é comprar ouro.

FONTE: SPUTNIK BRASIL
Link Notícia