Second slide
Radio Aparecida FM 105,9 ligue 3236 1018 / 991157718
public Notícia
Home/ Notícia
public Notícia

Mesmo antes do mês acabar, todos os estados do Sul já têm recordes de mortes em março, apontam secretarias de Saúde

No Norte, Rondônia também teve recorde. Mesmo ampliando capacidade em mais de 1,9 mil leitos, agravamento da pandemia levou a ocupação das UTIs para além do limite no RS, em SC e, possivelmente, no PR. Região tem cerca de 6 mil vagas em leitos críticos.

Mesmo antes de o mês acabar, todos os estados da Região Sul do Brasil já bateram recordes de mortes por Covid-19 em março, segundo dados apurados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde. Fora da região, Rondônia, no Norte, também bateu recorde.

  • Paraná registrou, do dia 1º até terça-feira (16), 2.245 mortes por Covid-19.O recorde anterior do estado era de janeiro, quando 2.041 pessoas morreram durante todo o mês.
  • Em Santa Catarina, foram 1,6 mil mortes até a mesma data. O recorde anterior era de dezembro, quando 1.491 pessoas perderam a vida para a doença.
  • Rio Grande do Sul registrou 3.214 óbitos. O recorde anterior do estado também era de dezembro, quando 2.059 pessoas morreram.
  • Em Rondônia, foram registradas 614 mortes até o dia 16. O recorde prévio era do mês passado, quando 606 pessoas morreram em todo o mês de fevereiro.

Todos os estados do Sul – assim como o resto do Brasil – vêm sofrendo com um o colapso no atendimento de pacientes com coronavírus. Na terça-feira (16), a Fiocruzdisse que o país passava pelo “maior colapso sanitário e hospitalar da história”.

Em uma cidade de Rondônia, servidores precisaram comprar oxigênio por conta própria após o início de um colapso. O estado bateu recorde de novos casos nesta quarta (17).

Colapso no Sul

Especialistas ouvidos pelo G1 ouvidos no início de março atribuem a lotação das UTIs a diversos fatores: progressão rápida do vírus, especialmente da variante brasileira, relaxamento da população e falta de gestão das autoridades.

Sem margem para ampliação de leitos que acompanhe o crescimento desenfreado de contágio, a equação não fecha. A falta de recursos, principalmente humanos, torna difícil de contornar o problema a curto prazo, segundo o secretário de Saúde do PR, Beto Preto.

“Nós estamos no limite de recursos humanos. O Conselho Regional de Medicina editou uma nova normativa aceitando uma equipe médica a cada 15 leitos de UTI, antes era uma equipe médica a cada 10 leitos. Está nos ajudando isso”, apontou.

Apesar da alta nas mortes por coronavírus, o governador do RS, Eduardo Leite (PSDB),afirma que já registra menores taxas de contágio e de novos internados por dia em hospitais e analisa a retomada da cogestão do modelo de Distanciamento Controlado a partir de segunda-feira (22). A ocupação nos leitos de UTI nesta quarta-feira atingiu 109%, o que representa 300 pessoas a mais do que a capacidade.

No PR, o governador Ratinho Junior (PSD) prorrogou até 1º de abril as medidas menos restritivas adotadas desde 10 março. Na terça (16), quando foi publicado o decreto de prorrogação, o estado teve o maior número de mortes por Covid-19 em um dia, com 310 registros. Pelo decreto, continua em vigor o toque de recolher entre 20h e 5h. O comércio e serviços não essenciais podem funcionar com restrições em dias de semana. As aulas presenciais da rede estadual permanecem suspensas.

E, em SC, a escalada de contágio atinge todo o estado que, há três semanas, está no nível considerado mais grave para a transmissão da doença. Nesta quarta, 442 pessoas esperam por um leito de UTI. Uma das regiões que mais preocupa é a Grande Florianópolis, onde 17 municípios se uniram e adotaram um decreto único que restringe a circulação de pessoas. O governador Carlos Moisés da Silva (PSL), disse que “temos que aprender a conviver com o vírus” e estuda reduzir as atuais restrições aos fins de semana, incluem limitação de horários e lotação nos estabelecimentos.

É preciso parar, apontam os especialistas. O vírus e a circulação. Para o professor Fabrício Mengon, do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a aplicação das medidas restritivas devem ter como base o conhecimento científico.

“As medidas restritivas que causam impacto na redução na curva de casos e de mortalidade devem durar pelo menos duas semanas, devem prever a restrição inclusive de atividades do comércio varejista e de todas as outras atividades não essenciais. Não podemos pensar em medidas, não é tolerável pensar em medidas que são baseadas em horários específicos de circulação de pessoas. Por que o vírus não respeita horário de circulação”, explica Mengon

Fonte: Globo.com

  • message
    Postado por
    Guia Serranópolis
  • today
    Data
    17/03/2021
  • folder
    Categoria
    Covid-19
  • code
    Feito por
    Sistema Plug

Deixe uma resposta

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados

Copyright © 2021 Sistema Plug Todos os direitos reservados
Desenvolvimento Web Plug | J.S
Copyright © 2021 | Sistema Plug
Desenvolvido | Web Plug